Brincadeira de criança: Brinquedos e brincadeiras para crianças pequenas

Vamos brincar? Conheça diversas brincadeiras educativas e divertidas para fazer com crianças pequenas!

A brincadeira de alta qualidade faz a diferença na experiência presente e futura, contribuindo de forma única para a formação integral das crianças. As crianças brincam de forma espontânea em qualquer lugar e com qualquer coisa, mas é preciso associar tal espontaneidade com a qualidade do brincar.

A alta qualidade é resultado da atenção do adulto, que procura oferecer autonomia às crianças para a exploração dos brinquedos e a recriação da cultura lúdica. É essa atenção que resulta na intervenção que se faz no ambiente, na organização do espaço físico, na disposição de mobiliário, na seleção e organização dos brinquedos e materiais e nas interações com as crianças.

É o conjunto desses fatores – as concepções, o planejamento do espaço, do tempo e dos materiais, a liberdade de ação da criança e a intermediação do adulto – que faz a diferença no desenvolvimento, resultando em uma educação de qualidade para a primeira infância. Não se separa, portanto, a qualidade da brincadeira da qualidade da educação infantil. Assim, neste material, a brincadeira é sempre considerada com o sentido de um brincar de qualidade. Para educar crianças pequenas, que ainda são vulneráveis, é
necessário integrar a educação ao cuidado, mas também a educação e o cuidado à brincadeira.

Este eBook distribuído gratuitamente é uma adaptação contextualizada do material “Brinquedos e Brincadeiras de Creche – Manual de Orientação Pedagógica” elaborado pelo Ministério da Educação, por meio da Secretaria de Educação Básica, com a parceria do UNICEF em 2012.

O último adeus da Sexton Blake em Pelotas

Trago notícias: minha história em Pelotas terminou, foi ótimo ter passado os últimos meses morando naquele simples apartamento (só meu) na Duque de Caxias. Morar totalmente sozinha tem suas vantagens e desvantagens, sobre a última é a de não ter com quem contar ou segurar as pontas quando as coisas ficaram difíceis.

O lado positivo: Pelotas é uma cidade acolhedora e tudo me fazia lembrar sobre os meus livros do Gilberto Freyre e tudo que eu tinha aprendido sobre nossa identidade de colonizados na escola, com ênfase nos aspectos mais positivos e menos dramáticos. Ter ido ao festival internacional de música e para a FENADOCE foram coisas do tipo “made my day” e muito divertidas também.

Por fim, seguem minhas últimas fotos em Pelotas. De uma referência ao famoso Pagode Chinês “The Liuhe Pagoda” (Six Harmonies Pagoda) de Hangzhou, situado na província de Zhejiang na China, construído em 1165 AD durante a Song Dynasty presente no prédio arquitetônico da rodoviária de Pelotas.

De Pelotas fui para Porto Alegre onde eu e minha tia Ivone ficamos por cinco dias e lá aproveitamos bastante para conferir as últimas exposições nos principais museus da cidade, fazer uma pausa para o lanche no Chalé XV, e o mais bacana: assistir ao 3° Festival BB de Blues e Jazz e ufa! após longas caminhadas pelo centro histórico e Bom Fim e compras de livros arrumamos as malas e voltamos para Recife.

É bom voltar para casa. Nada melhor que rever a família e amigos e se preparar para o natal. 

Capítulo de Livro: “Formação de Professores da Educação Infantil no Rio Grande do Sul nas Estatísticas Educacionais”

Gostaria de compartilhar com vocês um trabalho acadêmico recente publicado no livro “Debates contemporâneos em Educação”, organizado por Daniel Skryscsak e Jenerton Arlan Schütz pela Editora Dialogar. 

Resumo: O capítulo apresenta dados sobre a formação dos professores que atuam na Educação infantil no Rio Grande do Sul, a fim de discutir estratégias para a melhoria e aprimoramento da oferta de formação inicial ou continuada e demais questões.

Fiquei muito feliz em participar do livro e muito satisfeita com o resultado do trabalho final. 

O livro pode ser comprado nas livrarias de todo o país e disponível para download por tempo limitado neste link. 

A inteligência para John Erskine

Retomando as leituras obrigatórias dos meus estudos encontrei em meu material um ótimo texto que trata dentre muitos aspectos sobre a inteligência escrito por John Erskine em 1915.

Este texto está estruturado da seguinte maneira: primeiro selecionarei algumas citações e depois farei um comentário expressando o que compreendi adicionando meus pensamentos ou com os de outros de modo a contextualizar com os dias atuais.

O texto de Erskine começa com uma questão: “quais são as virtudes do homem moderno?” e em seguida complementa com outras: “Quando um homem sábio apresenta sua lista com algumas das nossas genuínas admirações, será a inteligência uma delas?” e “Antes de reivindicarmos com relação a virtude, estamos mesmo convencidos de que esta não nos oferece nenhum perigo?”

“A disposição em considerar a inteligência um perigo é uma antiga herança anglo-saxônica. Nossos ancestrais celebraram essa disposição em verso e prosa”.

“Por mais esplêndida que seja nossa literatura, ela não expressou todas as aspirações da humanidade”. “O elogio da inteligência não é uma das suas características mais gloriosas”.

“Aqui está a suposição casual de que uma escolha deve ser feita entre bondade e inteligência; que a estupidez é primo da conduta moral e a inteligência o primeiro passo para o mal; essa razão e Deus não estão em boas relações um com o outro; que a mente e o coração são rivais no poço da verdade, inexoravelmente equilibrados – mente plena, coração faminto – coração forte, cabeça fraca.”

“Nas peças de Shakespere há alguns homens altamente inteligentes, mas eles são vilões ou vítimas trágicas.”

“Ser tão inteligente quanto Richard, Iago ou Edmund parece envolver alguma ruptura com a bondade”.

“Ser tão sábio quanto prospero parece implicar algum conflito com “O mundo proibido de Faust”.

“Ser tão atencioso quanto Hamlet parece ser muito pensativo para viver.”

“Em Shakespeare, os prêmios da vida vão para homens como Bassanio, ou Duke Orsino, ou Florizel – homens de boa conduta e caráter sadio, mas sem nenhuma inteligência particular.”

“Shakespeare concede inteligência como uma possessão afortunada para algumas de suas heroínas”:

Portia (Kate Dolan) por John Everett Millais – Metropolitan Museum of Art.
Frederick Richard Pickersgill in painting of Viola with Orsino, mid-1800s.
Ophelia (1894) – John William Waterhouse.
Juliet by Philip H. Calderon (1887).
Desdemona (Othello) by Frederic Leighton (1888).
A painting of Beatrice by Frank Dicksee, from The Graphic Gallery of Shakespeare’s Heroines (1885).
Cordelia – William Frederick Yeames (1887).
Miranda – Frederick Goodall (1887).
Perdita por Anthony Frederick Augustus Sandys (1866).
Lady Macbeth sonâmbula (Johann Heinrich Füssli, 1781-84, Louvre).
 Cleopatra and Anthony playing a flute by Lawrence Alma-Tadema (1884).
Goneril and Regan from King Lear (1901).

“Em Paradise lost, Milton atribui inteligência da mais alta ordem ao diabo.”

“Se houvesse tempo, poderíamos rastrear essa avaliação da inteligência através do romance inglês. Devemos ver com que frequência os escritores distinguiram entre inteligência e bondade e alistaram nossas afeições por uma espécie de virtude inexperiente”.

“Nossa admiração não é discriminatória; e se não temos discriminação nem somos perturbados por nossa falta dela, então talvez esse homem sábio não possa listar inteligência entre nossas virtudes.”

“Quando Shakespeare retratou embora de modo um tanto superficial estadistas como o Duque em Measure for Measure, Burleigh estava guiando o império de Elizabeth e Francis Bacon logo seria o conselheiro do rei James.”

“A Inglaterra produziu não apenas estadistas e cientistas de primeira ordem, mas também poetas em quem a alma foi adequadamente unida a um elevado intelecto. Mas peço-lhe que reconsidere sua leitura na história e na ficção, para refletir se nossa raça, a Inglesa, geralmente pensou muito bem na inteligência pela qual tem sido grande. Eu sugiro esses aspectos não-intelectuais de nossa literatura como comentário sobre a minha pergunta – e tudo isso com a esperança de pressionar a pergunta sobre o que você pensa da inteligência.”

“Eu sugiro esses aspectos não-intelectuais de nossa literatura como comentário sobre a minha pergunta – e tudo isso com a esperança de pressionar a pergunta sobre o que você pensa da inteligência.”

“Aqueles de nós que preferem sinceramente o caráter à inteligência, portanto, não são sem precedentes. Se olharmos embaixo da história do povo inglês, sob as idéias expressas em nossa literatura, encontramos no temperamento de nossos antepassados ​​mais remotos um certo preconceito que ainda prescreve nossa ética e ainda nos prejudica contra a mente. O começo de nossa consciência pode ser geograficamente localizado.”

“O começo de nossa consciência pode ser geograficamente localizado. Começou nos bosques alemães, e deu sua lealdade não ao intelecto, mas à vontade. Se a severidade da vida em um clima difícil elevou ou não o valor daquela persistência pela qual a vida só poderia ser preservada, os alemães, como Tácito os conhecia, e os saxões, quando desembarcaram na Inglaterra, tinham como principal virtude essa força de vontade. que faz personagem. Para o ofício ou a estratégia, eles não tinham utilidade; eles já eram uma raça de buldogue; gostavam de lutar, e gostavam mais de resolver a questão lado a lado.”

“A honra estava na integridade de um homem, em sua disposição e em sua capacidade de manter sua palavra; portanto, o homem tornou-se mais importante do que sua palavra ou ação. Palavras e ações eram então facilmente interpretadas, não em termos de absoluto bem e mal, mas em termos do homem por trás deles.”

“Estou ciente de que, em nome do meu argumento, exagerei, insistindo em apenas um aspecto da literatura inglesa.”

“A honra estava na integridade de um homem, em sua disposição e capacidade de manter sua palavra; portanto, o homem tornou-se mais importante do que sua palavra ou ação. Palavras e ações eram então facilmente interpretadas, não em termos de absoluto bem e mal, mas em termos do homem por trás deles.”

“O propósito da cultura,  disse Matthew Arnold, é “fazer a razão e a vontade de Deus prevalecer”. Para esta citação ele citou de um inglês. De forma diferente, o objetivo da cultura, disse ele, é “tornar um ser inteligente ainda mais inteligente”.

“Entre esse exército crescente que segue a inteligência e o antigo campo que deposita sua confiança em um coração robusto, uma vontade firme e uma mão forte, a luta continua. Nossos universitários estarão no meio disso. Se eles não tomarem partido, pelo menos serão agredidos no tumulto.”

“Quando consideramos a natureza dos problemas a serem resolvidos em nossos dias, parece – para muitos de nós, pelo menos – que essas chegadas não inglesas estão corretas, que a inteligência é a virtude de que particularmente precisamos. Coragem e firmeza que não podemos prescindir, desde que dois homens morem na terra; mas é hora de discriminar em nosso louvor dessas virtudes.”

“Se você quiser sair da prisão, o que você precisa é a chave para a fechadura. Se você não conseguir, tenha coragem e firmeza. Talvez o mundo moderno tenha entrado em uma espécie de prisão, e o que é necessário é a chave para a fechadura.”

“Talvez a minha pergunta sobre o que você acha da inteligência tenha sido empurrada longe o suficiente. Mas não posso deixar o assunto sem uma confissão de fé.”

“Nenhuma das razões aqui sugeridas explicará bastante a verdadeira adoração da inteligência, quer a adoremos como o espírito científico, ou como erudição, ou como qualquer outra confiança na mente. Nós realmente buscamos a inteligência não pelas respostas que ela pode sugerir para os problemas da vida, mas porque acreditamos que é a vida – não para ajudar a fazer prevalecer a vontade de Deus, mas porque acreditamos que é a vontade de Deus.”

“Mas o amante da inteligência deve ser paciente com aqueles que não podem compartilhar prontamente sua paixão. Algumas dores a mente infligirá ao coração. É um erro pensar que os homens estão unidos por afeições elementares. Nossas afeições nos dividem. Temos raízes no tempo e no espaço imediatos, e nos apaixonamos pela nossa localidade, pelos costumes e pela linguagem em que fomos criados.”

“A inteligência nos une à humanidade, levando-nos em solidariedade a outros tempos, outros lugares, outros costumes; mas primeiro as raízes preconceituosas do afeto precisam ser arrancadas. Estas são as velhas dores da inteligência, que ainda vem para diferenciar o homem do pai, dizendo: “Aquele que ama o pai ou a mãe mais do que a mim não é digno de mim”.

“Vendo esta longa libertação do espírito humano, prevemos, em toda nova luz da mente, uma mente unificadora, em que a raça humana conhecerá seu destino e procederá a ele com satisfação, à medida que uma ideia se encaminha para sua conclusão apropriada.”

“Por fim, concebemos a inteligência como a ordem infinita, na qual o homem, quando entra, se encontra.”

Curso de Pós-Graduação A vez e a voz das crianças: A arte de escutar e conhecer narrativas, linguagens e culturas infantis

Síntese da proposta: Este curso propõe aprofundar em uma temática atual e prioritária – narrativas, linguagens e culturas infantis -, a partir de uma proposta integrada de saberes. Voltado para aqueles que têm profunda preocupação e compromisso com a vida das crianças contemporâneas, aponta possibilidades éticas e poéticas de escutar e conhecer crianças nos mais diversos contextos, a partir das suas próprias vozes, expressões artísticas, lúdico-criativas, poéticas, corporais e musicais. A antropóloga e educadora Adriana Friedmann tem uma longa trajetória no desenvolvimento de cursos e pesquisas na área da infância e vem propor, com esta pós-graduação, a formação de especialistas, caminhos de escuta, pesquisas e aprendizagens a partir das vozes e expressões infantis.

INSCRIÇÕES: de 8/5 a 22/6/2018.

​​ENTREVISTAS COM AS/OS INSCRITAS/OS: de 25 a 30/6/2018 (em horário e dia previamente acordado com a/o candidata/o).

MATRÍCULAS ON LINE:  de 2 a 5/7/2018.

INÍCIO DAS AULAS: 25 de agosto de 2018 (sábado).

Mais informações aqui.

Atualizações: novos estudos e novidades

Após meses de estudos sobre Maria Deraismes, fundadora do “LE DROIT HUMAIN” – OMMILDH sediada em Paris, em que eu aprendi muito sobre a relevância de se discutir, reafirmar e defender os direitos humanos e universais especialmente das mulheres e demais grupos em situação de vulnerabilidade social e de se lutar para que as mulheres consigam estar em lugares em que historicamente foram segregadas, como “tarefa” eu tinha que ter ido até a sede da OMMILDH em Paris afim de participar de um dos eventos realizados pelas membras da organização, o que ainda não foi possível, mas farei disso um dos meus objetivos de vida e sonhos para ser realizados enquanto eu viver.

 

Para quem não acompanhou meus estudos anteriores, outras mulheres que estudei foram: Sofia Andresen, que por sorte consegui fazer alguns dos seus percursos em vida quando estive em Portugal em 2014 e conhecer seus pensamentos e obras, que se desdobraram em propostas pedagógicas que faziam referência ao fundo do mar, Hannah Arendt e sua contribuição para a filosofia da educação e os direitos humanos, a Maria Montessori por meio do estudo de sua vida, família e relacionamentos, a escola fundada na Itália, suas ideias que revolucionaram a educação das crianças e pude ler alguns dos seus trabalhos.

Outras mulheres estudadas por mim foram também Lou Salomé, Anne Frank (onde pude reviver suas memórias e lembranças em seu diário guardado pelo seu pai), Frida Kahlo, suas dores, pensamentos e relacionamentos e, por último Maya Angelou e Aufred Hepburn.

Infelizmente não consegui conhecer a escola onde Montessori começou seus trabalhos como professora e pesquisadora, quem sabe algum dia 🙂

Enquanto esse sonho não se realiza começo a partir de hoje meus estudos sobre a santa Hildegarda de Bingen, também conhecida como Sibila do Reno, foi uma monja beneditina, mística, teóloga, compositora, pregadora, naturalista, médica informal, poetisa, dramaturga, escritora alemã e mestra do Mosteiro de Rupertsberg em Bingen am Rhein, na Alemanha. Foi canonizada com uma santa e considerada a quarta doutora da Igreja, título à ela concebido pelo Papa Bento XVI em 7 outubro de 2012.

Para isso, a primeira lição é assistir o filme da aclamada diretora alemã Margaret Von Trotta de 2009 “Vision” e ler seus escritos: Opera minora I e II, Werker Band IV, Beate Hildegardis Cause et cure e outras biografias secundárias, como por exemplo, Life of Jutta dentre outros materiais disponibilizados na internet.

Meu próximo objetivo será viajar até o linda Igreja de Santa Hildegard na Alemanha e quem até sabe me casar lá! 

OLYMPUS DIGITAL CAMERA