Monthly Archives: agosto 2018

Verbetes para o Wikidicionário – Parte I

28 de agosto de 2018.

Nas minhas horas vagas passei a contribuir com a wikipédia organizando textos ou reescrevendo verbetes ou dando contribuições adicionando referências ou com pesquisas. Eis alguns:

  1. Poder Executivo:  poder do estado que, nos moldes da constituição de um país, possui a atribuição de governar o povo e administrar os interesses públicos, cumprindo fielmente as ordenações legais. O executivo pode assumir várias e diferentes faces, conforme o local em que esteja instalado.

2. Order (terminação) – o v. morder e der. são regulares, com a alternância vocálica tipo mordo (com -o- fechado, donde o pres. subj. morda, mordas, morda, mordam ) e as demais f. rizotônicas abertas.

Em inglês:

Order or ORDER may refer to:

Contents:

  1. Culture
  2. Media
  3. Law
  4.  Military
  5. Philosophy
  6.  Religion
  7. Science, and technology
    7.1 Biology
    7.2 Computing
    7.3 Mathematics
    7.4 Physics
    7.5 Signal processing
    7.6 Other uses in science and technology

    Orderliness:  a desire for organization
    Categorization: is the process in which ideas and objects are recognized, differentiated, and understood
    Heterarchy: is a system of organization where the elements have the potential to be ranked a number of different ways
    Hierarchy: is an arrangement of items that are represented as being “above”, “below”, or “at the same level as” one another.

Culture

  1. Order (distinction): is a visible honour in society
  2. Order of precedence, a sequential hierarchy of the nominal importance of items, often people
  3. Chivalric order, established since the middle ages
  4. Military order (monastic society), established in the era of the crusades
  5. Dynastic order of knighthood of a presently or formerly sovereign royal house
  6. Order of merit of a state or other entity
  7. Fraternal order
  8. Orders, a surname

Order – Maroon

Maroon – Order (2009) Full Album Special Edition

Track listing:


“Morin Heights” – 1:22
“Erode” – 4:00
“Stay Brutal” – 3:47
“A New Order” – 3:26
“Bleak” – 6:23
“This Ship Is Sinking” – 4:23
“Call of Telah” – 0:54
“Leave You Scared & Broken” – 4:40
“Children of the Next Level” – 3:18
“Bombs Over Ignorance” – 3:22
“Wolves at the End of the Street” – 4:01
“Schatten” – 7:35
“Under the Surface” (Bonus Track) – 4:29
“Wider Allem” (Bonus Track) – 2:53
“Teenage Kicks” (Bonus Track) – 2:23
“Maschinerie” (Bonus Track) – 3:51

3. Maroon ( /məˈruːn/ mə-ROON,[2]) is a dark brownish red color[3] that takes its name from the French word marron, or chestnut.[4]

The Oxford English Dictionary describes it as “a brownish crimson or claret color.”[5]

In the RGB model used to create colors on computer screens and televisions, maroon is created by turning down the brightness of pure red to about one half. Maroon is the complement of teal.

4. Of – (português): do

of1

[uhv, ov; unstresseduh v or, esp. before consonantsuh]

  1. (used to indicate distance or direction from, separation, deprivation, etc.): within a mile of the church; south of Omaha; to be robbed of one’s money.
  2. (used to indicate derivation, origin, or source): a man of good family; the plays of Shakespeare; a piece of cake.
  3. (used to indicate cause, motive, occasion, or reason): to die of hunger.
  4. These Words Only Exist Because Someone Messed Up
  5. Insults We Should Bring Back
  6. These Famous People Have Their Own Words in the Dictionary
  7. These Are the Saddest Phrases in English
  8. (used to indicate material, component parts, substance, or contents):a dress of silk; an apartment of three rooms; a book of poems; a package of cheese.
  9. (used to indicate apposition or identity):Is that idiot of a salesman calling again?
  10. (used to indicate specific identity ora particular item within a categor):the city of Chicago; thoughts of love.
  11. (used to indicate possession, connection, or association):the king of France; the property of the church.
  12. (used to indicate inclusion in a number, class, or whole):one of us.
  13. (used to indicate the objective relation, the object of the action noted by the preceding noun or theapplication ofa verb or adjective): the ringing of bells; He writes her of home; I’m tired of working.
  14. (used to indicate reference or respect): There is talk of peace.
  15. (used to indicate qualities or attributes): an ambassador of remarkable tact.
  16. (used to indicate a specified time): They arrived of an evening.
  17. Chiefly Northern U.S. before the hour of; until:twenty minutes of five.
  18. on the part of:It was very mean of you to laugh at me.
  19. in respect to:fleet of foot.
  20. set aside for or devoted to:a minute of prayer.
  21. Archaic. by:consumed of worms.

Show More

Origin of of1

before 900; Middle English, Old English: of, off; cognate with German ab, Latin ab, Greek apó. See offa-2o’

Usage note

Of is sometimes added to phrases beginning with the adverb how or too followed by a descriptive adjective: How long of a drive will it be? It’s too hot of a day for tennis. This construction is probably modeled on that in which how or too is followed by much, an unquestionably standard use in all varieties of speech and writing:

How much ofa problem will that cause the government? There was too much of an uproar for the speaker to be heard. The use of of with descriptive adjectives after how or too is largely restricted to informal speech. It occurs occasionally in informal writing and written representations of speech. See also coupleoff.

of2

[uh v]auxiliary verb Pronunciation Spelling.

  1. have: He should of asked me first.

Compare a4.

  • The Oldest Words in English

5.Morin-Heights: a town in the Laurentian Mountains region of Quebec, Canada. It is west of Saint-Sauveur and north of Lachute; municipally, it is within the Regional County Municipality of Les Pays-d’en-Haut.

Morin-Heights is located in Central Quebec
Location in central Quebec.

6. Mellrichstadt: a town in the district Rhön-Grabfeld, in Bavaria, Germany. It is situated 17 km southwest of Meiningen, and 13 km northeast of Bad Neustadt. It includes the following villages: Bahra, Eußenhausen, Frickenhausen, Mühlfeld, Sondheim im Grabfeld und Roßrieth.

7. 1761: (MDCCLXI, na numeração romana) foi um ano comum do século XVIII do actual Calendário Gregoriano, da Era de Cristo, e a sua letra dominical foi D (53 semanas), teve início a uma quinta-feira e terminou também a uma quinta-feira.

8. A Igreja de São Tiago Maior, é um templo cristão português, localizado na freguesia da Ribeira Seca, concelho da Calheta, ilha de São Jorge.

Igreja de São Tiago Maior, Fachada, Ribeira Seca, Calheta, ilha de São Jorge, Açores.

9. Em 1757:

Terminam as obras de reconstrução da Igreja de São Lázaro, no Norte Pequeno, ilha de São Jorge, destruída em 9 de Julho de 1757 pelo Mandado de Deus.

10. Fundada a Faber-Castell: uma empresa produtora de material de escritório alemã. Sua sede mundial encontra-se em Stein no norte da Baviera.

11. A hex triplet is a six-digit, three-byte hexadecimal number used in HTML, CSS, SVG, and other computing applications to represent colors. The bytes represent the red, green and blue components of the color. One byte represents a number in the range 00 to FF (in hexadecimal notation), or 0 to 255 in decimal notation. This represents the least (0) to the most (255) intensity of each of the color components. Thus web colors specify colors in the True Color (24-bit RGB) color scheme. The hex triplet is formed by concatenating three bytes in hexadecimal notation, in the following order:

Byte 1: red value (color type red)
Byte 2: green value (color type green)
Byte 3: blue value (color type blue)

For example, consider the color where the red/green/blue values are decimal numbers: red=36, green=104, blue=160 (a grayish-blue color). The decimal numbers 36, 104 and 160 are equivalent to the hexadecimal numbers 24, 68 and A0 respectively. The hex triplet is obtained by concatenating the six hexadecimal digits together, 2468A0 in this example.

If any one of the three color values is less than 10 hex (16 decimal), it must be represented with a leading zero so that the triplet always has exactly six digits. For example, the decimal triplet 4, 8, 16 would be represented by the hex digits 04, 08, 10, forming the hex triplet 040810.

The number of colors that can be represented by this system is 166 or 2563 or 224 = 16,777,216.

12. April 15 is the 105th day of the year (106th in leap years) in the Gregorian calendar. There are 260 days remaining until the end of the year.

13. 1755 – Samuel Johnson’s “A Dictionary of the English Language” published in London
14. 1877 – 1st telephone installed: Boston-Somerville in Massachusetts
15. 912 – RMS Titanic sinks at 2:27 AM off Newfoundland as the band plays on.

16. 1913 (MCMXIII, na numeração romana) foi um ano comum do século XX do actual Calendário Gregoriano, da Era de Cristo, e a sua letra dominical foi E (52 semanas), teve início a uma quarta-feira e terminou também a uma quarta-feira.

17. O sistema de numeração romana (algarismos romanos ou números romanos) desenvolveu-se na Roma Antiga, e foi utilizado em todo o Império Romano. É composto por sete letras maiúsculas do alfabeto latino: I, V, X, L, C, D e M.

18. A vírgula é um sinal de pontuação que exerce três funções básicas[1]:

  1. marcar as pausas e as inflexões da voz na leitura;
  2. enfatizar e/ou separar expressões e orações;
  3. impedir qualquer ambiguidade.

A utilização da vírgula não obedece as regras absolutas (existem casos debatidos entre os especialistas em gramática), pelo que as regras aqui expostas são um resumo do que o uso geral vem carregando a frase do verbo nominal (formal):

*para separar as coordenadas sintéticas conclusivas (logo, pois, portanto). A conjunção pois com valor conclusivo (portanto) deve geralmente vir entre vírgulas. (Ex.: Não era alfabetizado, logo, não podia ter carta de habilitação.

  • para separar as coordenadas sintéticas explicativas (Ex.: Não fale assim porque estamos ouvindo você[necessário esclarecer]).
  • para separar as adverbiais reduzidas e as adverbiais antepostas ou intercaladas na principal.[necessário esclarecer]
  • para separar as orações consecutivas.
  • para isolar as subordinadas adjetivas explicativas. Geralmente, as restritivas não se separam por vírgula. Podem terminar com vírgula no caso de ter certa extensão ou quando os verbos se sucedem. Porém, nunca devem começar por vírgula. (Ex.: O rapaz, que tinha o passo firme, resolveu o problema. / O aluno que estuda, aprende.).
    * usa-se quando vier em [polissíndeto] (Ex.: Fala, resmunga, chora e pede socorro)[necessário esclarecer].
    * para separar elementos com a mesma função sintática (exceto se estiverem ligados pela conjunção e).

(Ex.: O João, o Antônio, a Maria e o Joaquim foram passear. / Comprei um livro e um caderno. / Fui ao supermercado e à farmácia.)

  • para separar orações com sujeitos diferentes (Ex.: Eles explicam seus pontos de vista, e a imprensa deturpa-os.)
  • para assumir outros valores que não o aditivo (Ex.: Responderam à mãe, e não foram repreendidos. (valor adversativo)
  • O filme é tão romântico e eu assisti na TV. (valor consecutivo).
  • Eles gritaram, e pularam, e sorriram. (valor enfático)
  • quando a conjunção pois é explicativa e equivale a porque, a vírgula coloca-se antes. (Ex.: João não foi à escola, pois estava doente.)
  • quando a conjunção pois é conclusiva e equivale a portanto, a vírgula coloca-se antes e depois (Ex.: A seleção brasileira venceu as eliminatórias sul-americanas. O Brasil é, pois, um dos favoritos a ganhar a copa.).

19. O calendário gregoriano é um calendário de origem europeia, utilizado oficialmente pela maioria dos países. Foi promulgado pelo Papa Gregório XIII 1 a 24 de Fevereiro do ano 1582 pela bula Inter gravissimas em substituição do calendário juliano implantado pelo líder romano Júlio César (100–44 a.C.) em 46 a.C..[carece de fontes]

20. Como convenção e por praticidade, o calendário gregoriano é adotado para demarcar o ano civil no mundo inteiro, facilitando o relacionamento entre as nações. Essa unificação decorre do fato de a Europa ter, historicamente, exportado seus padrões para o resto do globo.

Decimal Romana: 


1 l
2 II
3 III
4 IV
5 V
6 VI
7 VII
8 VIII
9 IX
10 X
19 XIX
20 XX
30 XXX
40 XL
50 L
60 LX
70 LXX
80 LXXX
90 XC
100 C
200 CC
300 CCC
400 CD
500 D
600 DC
700 DCC
800 DCCC
900 CM
1000 M
2000 MM
3000 MMM
4000 IV
5000 V
6000 VI
7000 VII
8000 VIII
9000 IX
10000 X
100000 C
500000 D
1000000 M


O sistema de numeração romana (algarismos romanos ou números romanos) desenvolveu-se na Roma Antiga, e foi utilizado em todo o Império Romano. É composto por sete letras maiúsculas do alfabeto latino: I, V, X, L, C, D e M.

21. O SS Imperator foi um transatlântico construído para o Hamburg-Amerika Linie, lançado em 1912. Durante a Primeira Guerra Mundial, o navio permaneceu no porto de Hamburgo. Depois da guerra, foi requisitado pela Marinha dos Estados Unidos, identificado como USS Imperator e serviu como meio de transporte, levando as tropas americanas para a Europa. Seguindo o seu serviço na Marinha dos Estados Unidos, Imperator foi vendido à Cunard Line, e navegou como RMS Berengaria em sua última década de carreira.

Leave a Comment

Filed under Educação, Verbetes, Wikidicionário

Verbetes para a Wikipédia – II

  1. Raspberries: é uma banda de power pop norte-americana de Ohio, formada no ano de 1970 pelos membros fundadores Eric Carmen, Wally Bryson, Jim Bonfanti e John Aleksic.

2. Durômetro Shore: O durômetro Shore é utilizado na medição da dureza. O método consiste em medir a profundidade da impressão deixada no material com a aplicação da carga e é dependente de outros fatores além da dureza, como das propriedades viscoelásticas e da duração do ensaio.

Este aparelho de medição foi desenvolvido em 1920, pelo fabricante de instrumentos Albert F. Shore, e é amplamente utilizado na medição da dureza de polímeros, elastômeros e borrachas.

3. Existem diversas escalas utilizadas em materiais com propriedades diferentes. As mais comuns são a A e D, sendo a A utilizada em plásticos macios e a D em plásticos rígidos. No entanto, a ASTM D 2240 contém 12 escalas, dependentes da intenção de uso, sendo elas: A, B, C, D, DO, E, M, O, OO, OOO, OOO-S e R. Cada escala resulta em um valor entre 0 e 100, sendo que valores maiores indicam um material mais duro.

4. Edgar Wallace: Richard Horatio Edgar Wallace (1 April 1875 – 10 February 1932) was an English writer.

Born into poverty as an illegitimate London child, Wallace left school at age 12. He joined the army at age 21 and was a war correspondent during the Second Boer War, for Reuters and the Daily Mail. Struggling with debt, he left South Africa, returned to London, and began writing thrillers to raise income, publishing books including The Four Just Men (1905). Drawing on his time as a reporter in the Congo, covering the Belgian atrocities, Wallace serialised short stories in magazines such as The Windsor Magazine and later published collections such as Sanders of the River (1911). He signed with Hodder and Stoughton in 1921 and became an internationally recognised author.

5. Whippoorwill: (O chicote-pobre-vontade oriental) é um nightjar de tamanho médio da América do Norte. O chicote-pobre-vontade é comumente ouvido dentro de seu alcance, mas menos freqüentemente visto por causa de sua camuflagem.

6. West Norwood: é uma área predominantemente residencial do sul de Londres, dentro do distrito londrino de Lambeth, localizado a 8,7 km ao sul a sudeste de Charing Cross. O centro de West Norwood fica em uma tigela cercada por encostas em seus lados leste, oeste e sul. De muitas partes da área, vistas distantes podem ser vistas, de lugares como a cidade de Londres, Canary Wharf e Crystal Palace.

Resultado de imagem para West Norwood:
Fonte: a inveja.

7. Maidenhood: the time during which a woman is a maiden or a virgin.

8. Purple-stemmed American-aster: é uma espécie encontrada em pântanos, campos úmidos, valas e margens. Os nativos americanos usaram as raízes dessa espécie para tratar febre, resfriados, febre tifóide, pneumonia e dor de dente.

Resultado de imagem para purple-stemmed
Fonte: https://newfs.s3.amazonaws.com/taxon-images-239×239/Asteraceae/symphyotrichum-puniceum-ha-atal.jpg

9. Melanésia: O nome da região que abriga inúmeras ilhas na Oceania que vem da cor da pele de seus habitantes. Melos quer dizer negro em grego e nesoi, ilhas.

10. Língua fijiana: O fidjiano ou fijiano é uma língua austronésia falada nas Ilhas Fiji. É falada por aproximadamente 350,000 Fijianos como língua nativa.

Leave a Comment

Filed under Educação

Verbetes – Wikipédia III

  1. Re-bewitching: (s.f.) significa encantador(a). Palavra utilizada apenas para se referir ao feminino.

2. Housetops: (s.m) expressão utilizada para todos ouvirem ou diz respeito à superfície nivelada de um telhado.

3. Arc-lights: é um modelo antigo de lâmpada.

Close-up of a 15KW Xenon short-arc lamp.

4. Lamplighter: É uma pessoa encarregada de iluminar e manter velas e candeeiros acesos. É considerado atualmente um posto de trabalho muito raro. Na Polônia, desde 2009, um candeeiro que acende a luminária de uma rua famosa é uma atração turística. Em Londres um pequeno time de funcionários executa o mesmo trabalho.

P. 205 (do Dicionário Aurélio): Candeeiro (s.m) é um aparelho de iluminação alimentado por óleo de gás inflamável com mecha ou camisa incandescente, lampião.

6. Bareheaded: (s.f.) se refere a cabeça descoberta, para indicar que não há algo cobrindo a cabeça (como um chapéu, cartola ou um boné) ou com a cabeça descoberta no verão quente ou ainda, um garoto com a cabeça descoberta que perdeu o seu chapéu.

7. Doddering: é uma maneira desrespeitosa de dizer que eles são velhos e não são fortes.

8. Shyly: timidamente.

+ Lugares para conhecer um dia: Washington Square Park e Lotonia. 

Leave a Comment

Filed under Educação

Divulgação de Pesquisa, Produção e Vendas do Setor Editorial Brasileiro ano-base 2017

Original publicado aqui. 

A apresentação da pesquisa aconteceu no dia 02 de maio de 2018 no Unibes Cultural, em São Paulo. Da esquerda para a direita, o presidente da CBL, Luís Antônio Torelli; o presidente do SNEL, Marcos da Veiga Pereira; a Profª Leda Paulani e a economista Mariana Bueno, da Fipe. Fonte: Sindicato dos Editores de Livros. 

Confira o estudo completo

Editoras dos subsetores de Obras Gerais e Religiosostiveram crescimento real em 2017

Didáticos e CTP foram afetados em termos de faturamento, contribuindo para uma queda real de 4,76% do setor editorial brasileiro no ano passado

Em 2017, as editoras brasileiras produziram 393,3 milhões de exemplares, venderam 355 milhões e faturaram R$ 5,17 bilhões.

Os dados são da Pesquisa Produção e Vendas do Setor Editorial Brasileiro ano-base 2017, realizada pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), a pedido da Câmara Brasileira do Livro (CBL) e do Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL). O estudo, que mapeou a performance do setor editorial e de seus quatro subsetores em 2017, ouviu 202 editoras do país, sendo 187 emparelhadas ao ano anterior, o que representa 69% do setor editorial em faturamento.

Considerando as vendas para mercado e governo, as editoras dos subsetores¹ de Obras Gerais e de Religiosos tiveram o melhor resultado: um crescimento nominal de 6,83% (3,77% real) e 4,61% (1,61% real) no faturamento, respectivamente.

Já o subsetor de Didáticos, com queda real de 10,43%, e o de CTP (Científicos, Técnicos e Profissionais), com recuo de 1,39%, foram os mais afetados em termos de faturamento, contribuindo para o fechamento negativo do setor como um todo em 2017. Em comparação a 2016, o faturamento total das editoras apresentou uma queda real de 4,76%, considerando a variação do IPCA de 2,95% no período.

Considerando somente as vendas de livros ao mercado (R$ 3,9 bilhões), o setor apresentou um crescimento nominal de 2,03% em valor, o que significa um decréscimo real de 0,89%. Já com as vendas para o governo, o faturamento foi de R$ 1,22 bilhão (-12,99% em relação a 2016).

¹Didáticos; Científicos, Técnicos e Profissionais (CTP); Obras Gerais e Religiosos. Os subsetores dizem respeito às editoras e não ao tipo de livro comercializado, ou seja, se referem à categoria que corresponde à maior parte do faturamento autodeclarado pela editora.


²Em 2017, o Governo Federal comprou livros para o Ensino Médio e fez reposição dos livros do Ensino Fundamental 1 e Ensino Fundamental 2. Em 2016, comprou livros para o Ensino Fundamental 2 e fez reposição dos livros do Ensino Fundamental 1 e Médio.

Produção: subsetores e áreas temáticas

A pesquisa indica que foram editados 48,88 mil títulos em 2017, dos quais 16,1 mil correspondem a lançamentos. O total de títulos (ISBN) teve queda de 5,67%. Levando em conta apenas os novos, o recuo foi de 7,45%.

Já o total de exemplares (volume) produzidos caiu 7,94% em 2017.

No tocante às áreas temáticas apuradas, os livros didáticos, de religião, literatura adulta, autoajuda e literatura infantil lideram o top 5 da produção total de obras nacionais em 2017. Apesar de apresentarem maior representatividade, entre os cinco principais, somente os livros religiosos tiveram um ligeiro crescimento de 1,99% em comparação a 2016, o que corresponde a 90.576.879 exemplares totais. Os didáticos sofreram queda de 13,3% no volume.

Nos gêneros da categoria Científicos, Técnicos e Profissionais, também houve menos exemplares produzidos: os recuos mais acentuados foram nos segmentos de informática, computação e programação (-43,51%), medicina, farmácia, saúde pública e higiene (-17,98%) e direito (-14,85%).

Mesmo com menor participação na produção total, as biografias, por outro lado, tiveram um crescimento expressivo de 11,14% em comparação ao ano passado, o que corresponde a 5,71 milhões de exemplares no total.

A pesquisa ainda destaca que a quantidade de exemplares produzidos de autores nacionais aumentou 3,65%, enquanto os livros traduzidos tiveram queda de 18,87%, levando em conta somente os novos números de ISBN.

Como o livro chega ao leitor?

As livrarias, com 118,09 milhões de exemplares vendidos, ou 53,11% do total comercializado no mercado (excluindo-se governo), seguiram como o principal canal de venda das editoras, em 2017. Os distribuidores responderam por 35,75 milhões de livros, o equivalente a 16,08% do mercado. O segmento porta-a-porta teve participação importante, de 7,94%, com 17,66 milhões de livros.

A comercialização em igrejas, templos, supermercados e escolas, além de livros comprados por empresas, também tem relevância. Já em livrarias exclusivamente virtuais a participação foi de 2,91% do total, o que significa um crescimento de 17,77% em relação ao ano anterior.

Apresentação

Release

Leave a Comment

Filed under Produção e vendas de livros

A inteligência para John Erskine

Retomando as leituras obrigatórias dos meus estudos encontrei em meu material um ótimo texto que trata dentre muitos aspectos sobre a inteligência escrito por John Erskine em 1915.

Este texto está estruturado da seguinte maneira: primeiro selecionarei algumas citações e depois farei um comentário expressando o que compreendi adicionando meus pensamentos ou com os de outros de modo a contextualizar com os dias atuais.

O texto de Erskine começa com uma questão: “quais são as virtudes do homem moderno?” e em seguida complementa com outras: “Quando um homem sábio apresenta sua lista com algumas das nossas genuínas admirações, será a inteligência uma delas?” e “Antes de reivindicarmos com relação a virtude, estamos mesmo convencidos de que esta não nos oferece nenhum perigo?”

“A disposição em considerar a inteligência um perigo é uma antiga herança anglo-saxônica. Nossos ancestrais celebraram essa disposição em verso e prosa”.

“Por mais esplêndida que seja nossa literatura, ela não expressou todas as aspirações da humanidade”. “O elogio da inteligência não é uma das suas características mais gloriosas”.

“Aqui está a suposição casual de que uma escolha deve ser feita entre bondade e inteligência; que a estupidez é primo da conduta moral e a inteligência o primeiro passo para o mal; essa razão e Deus não estão em boas relações um com o outro; que a mente e o coração são rivais no poço da verdade, inexoravelmente equilibrados – mente plena, coração faminto – coração forte, cabeça fraca.”

“Nas peças de Shakespere há alguns homens altamente inteligentes, mas eles são vilões ou vítimas trágicas.”

“Ser tão inteligente quanto Richard, Iago ou Edmund parece envolver alguma ruptura com a bondade”.

“Ser tão sábio quanto prospero parece implicar algum conflito com “O mundo proibido de Faust”.

“Ser tão atencioso quanto Hamlet parece ser muito pensativo para viver.”

“Em Shakespeare, os prêmios da vida vão para homens como Bassanio, ou Duke Orsino, ou Florizel – homens de boa conduta e caráter sadio, mas sem nenhuma inteligência particular.”

“Shakespeare concede inteligência como uma possessão afortunada para algumas de suas heroínas”:

Portia (Kate Dolan) por John Everett Millais – Metropolitan Museum of Art.
Frederick Richard Pickersgill in painting of Viola with Orsino, mid-1800s.
Ophelia (1894) – John William Waterhouse.
Juliet by Philip H. Calderon (1887).
Desdemona (Othello) by Frederic Leighton (1888).
A painting of Beatrice by Frank Dicksee, from The Graphic Gallery of Shakespeare’s Heroines (1885).
Cordelia – William Frederick Yeames (1887).
Miranda – Frederick Goodall (1887).
Perdita por Anthony Frederick Augustus Sandys (1866).
Lady Macbeth sonâmbula (Johann Heinrich Füssli, 1781-84, Louvre).
 Cleopatra and Anthony playing a flute by Lawrence Alma-Tadema (1884).
Goneril and Regan from King Lear (1901).

“Em Paradise lost, Milton atribui inteligência da mais alta ordem ao diabo.”

“Se houvesse tempo, poderíamos rastrear essa avaliação da inteligência através do romance inglês. Devemos ver com que frequência os escritores distinguiram entre inteligência e bondade e alistaram nossas afeições por uma espécie de virtude inexperiente”.

“Nossa admiração não é discriminatória; e se não temos discriminação nem somos perturbados por nossa falta dela, então talvez esse homem sábio não possa listar inteligência entre nossas virtudes.”

“Quando Shakespeare retratou embora de modo um tanto superficial estadistas como o Duque em Measure for Measure, Burleigh estava guiando o império de Elizabeth e Francis Bacon logo seria o conselheiro do rei James.”

“A Inglaterra produziu não apenas estadistas e cientistas de primeira ordem, mas também poetas em quem a alma foi adequadamente unida a um elevado intelecto. Mas peço-lhe que reconsidere sua leitura na história e na ficção, para refletir se nossa raça, a Inglesa, geralmente pensou muito bem na inteligência pela qual tem sido grande. Eu sugiro esses aspectos não-intelectuais de nossa literatura como comentário sobre a minha pergunta – e tudo isso com a esperança de pressionar a pergunta sobre o que você pensa da inteligência.”

“Eu sugiro esses aspectos não-intelectuais de nossa literatura como comentário sobre a minha pergunta – e tudo isso com a esperança de pressionar a pergunta sobre o que você pensa da inteligência.”

“Aqueles de nós que preferem sinceramente o caráter à inteligência, portanto, não são sem precedentes. Se olharmos embaixo da história do povo inglês, sob as idéias expressas em nossa literatura, encontramos no temperamento de nossos antepassados ​​mais remotos um certo preconceito que ainda prescreve nossa ética e ainda nos prejudica contra a mente. O começo de nossa consciência pode ser geograficamente localizado.”

“O começo de nossa consciência pode ser geograficamente localizado. Começou nos bosques alemães, e deu sua lealdade não ao intelecto, mas à vontade. Se a severidade da vida em um clima difícil elevou ou não o valor daquela persistência pela qual a vida só poderia ser preservada, os alemães, como Tácito os conhecia, e os saxões, quando desembarcaram na Inglaterra, tinham como principal virtude essa força de vontade. que faz personagem. Para o ofício ou a estratégia, eles não tinham utilidade; eles já eram uma raça de buldogue; gostavam de lutar, e gostavam mais de resolver a questão lado a lado.”

“A honra estava na integridade de um homem, em sua disposição e em sua capacidade de manter sua palavra; portanto, o homem tornou-se mais importante do que sua palavra ou ação. Palavras e ações eram então facilmente interpretadas, não em termos de absoluto bem e mal, mas em termos do homem por trás deles.”

“Estou ciente de que, em nome do meu argumento, exagerei, insistindo em apenas um aspecto da literatura inglesa.”

“A honra estava na integridade de um homem, em sua disposição e capacidade de manter sua palavra; portanto, o homem tornou-se mais importante do que sua palavra ou ação. Palavras e ações eram então facilmente interpretadas, não em termos de absoluto bem e mal, mas em termos do homem por trás deles.”

“O propósito da cultura,  disse Matthew Arnold, é “fazer a razão e a vontade de Deus prevalecer”. Para esta citação ele citou de um inglês. De forma diferente, o objetivo da cultura, disse ele, é “tornar um ser inteligente ainda mais inteligente”.

“Entre esse exército crescente que segue a inteligência e o antigo campo que deposita sua confiança em um coração robusto, uma vontade firme e uma mão forte, a luta continua. Nossos universitários estarão no meio disso. Se eles não tomarem partido, pelo menos serão agredidos no tumulto.”

“Quando consideramos a natureza dos problemas a serem resolvidos em nossos dias, parece – para muitos de nós, pelo menos – que essas chegadas não inglesas estão corretas, que a inteligência é a virtude de que particularmente precisamos. Coragem e firmeza que não podemos prescindir, desde que dois homens morem na terra; mas é hora de discriminar em nosso louvor dessas virtudes.”

“Se você quiser sair da prisão, o que você precisa é a chave para a fechadura. Se você não conseguir, tenha coragem e firmeza. Talvez o mundo moderno tenha entrado em uma espécie de prisão, e o que é necessário é a chave para a fechadura.”

“Talvez a minha pergunta sobre o que você acha da inteligência tenha sido empurrada longe o suficiente. Mas não posso deixar o assunto sem uma confissão de fé.”

“Nenhuma das razões aqui sugeridas explicará bastante a verdadeira adoração da inteligência, quer a adoremos como o espírito científico, ou como erudição, ou como qualquer outra confiança na mente. Nós realmente buscamos a inteligência não pelas respostas que ela pode sugerir para os problemas da vida, mas porque acreditamos que é a vida – não para ajudar a fazer prevalecer a vontade de Deus, mas porque acreditamos que é a vontade de Deus.”

“Mas o amante da inteligência deve ser paciente com aqueles que não podem compartilhar prontamente sua paixão. Algumas dores a mente infligirá ao coração. É um erro pensar que os homens estão unidos por afeições elementares. Nossas afeições nos dividem. Temos raízes no tempo e no espaço imediatos, e nos apaixonamos pela nossa localidade, pelos costumes e pela linguagem em que fomos criados.”

“A inteligência nos une à humanidade, levando-nos em solidariedade a outros tempos, outros lugares, outros costumes; mas primeiro as raízes preconceituosas do afeto precisam ser arrancadas. Estas são as velhas dores da inteligência, que ainda vem para diferenciar o homem do pai, dizendo: “Aquele que ama o pai ou a mãe mais do que a mim não é digno de mim”.

“Vendo esta longa libertação do espírito humano, prevemos, em toda nova luz da mente, uma mente unificadora, em que a raça humana conhecerá seu destino e procederá a ele com satisfação, à medida que uma ideia se encaminha para sua conclusão apropriada.”

“Por fim, concebemos a inteligência como a ordem infinita, na qual o homem, quando entra, se encontra.”

Leave a Comment

Filed under Educação, Estudos, John Erskine

Entrevista com Mélanie Clément-Fontaine sobre a tradução da licença GNU/GPL

Por Loïc Dachary, FSF Europe Association –  França, LoicDachary@fsfeurope.org

Original publicado aqui.

Sobre a entrevistada: Mélanie Clément-Fontaine é doutoranda em direito de propriedade intelectual e funcionária da Alcôve.

Ela é autora de um estudo legal sobre a GNU General Public License  e participa de conferências sobre Direito e Software Livre (Symposium National Institute of Telecommunications – INT), Software e conteúdo gratuito, Libre Software Meeting e vida local livre).

Como o projeto foi lançado para produzir uma versão em francês da GNU/GPL?

Após minha palestra no Libre Software Meeting em Bordeaux, em julho de 2000, tive uma conversa com Richard M. Stallman sobre a necessidade de adaptar a licença GNU/GPL à lei francesa. O argumento continuou então por e-mail para terminar no início de 2001 a um pedido dele. Ele queria que eu cuidasse da adaptação à lei francesa e eu aceitei.

Como você procedeu concretamente?

Primeiro perguntei a Frédéric Couchet se poderia obter ajuda na tradução técnica. Ele me dirigiu para Benjamin Drieu. Começamos a trabalhar juntos com base nas traduções existentes. A complexidade do trabalho me surpreendeu. E o que mais me incomoda é ser o único jurista francês a pensar sobre o assunto. Meu esforço atual representa alguns dias de trabalho.  Não é possível se contentar com uma tradução palavra por palavra e Richard M. Stallman era explícito nesse ponto.

Há passagens cujo significado me incomodou e, se as alteramos, era importante o suficiente para que não pudéssemos fazer a mudança sozinha. Nós preparamos correções que devemos submeter a Richard M. Stallman e Eben Moglen. Também é necessário que tenhamos visibilidade sobre a versão 3 da GNU/GPL para evitar a perda total ou parcial do nosso trabalho de adaptação.

Onde você está no processo de tradução?

Atualmente, temos uma versão correta em linguagem comum, compilada a partir de traduções existentes. Este passo é realizado. Também identificamos fórmulas de natureza jurídica e temos de trabalhar em cada uma delas para fazer as correções específicas da linguagem jurídica.  Guardei todos os nossos documentos de trabalho, alguns deles no papel.

A GNU/GPL depende da Convenção de Berna?

Sim, mas só vincula estados, não indivíduos. Não pode ser invocado por indivíduos. Estabelece algumas regras que organizam a reciprocidade: uma obra protegida por um estado também será protegida pela legislação de outros estados. Então o estado aprova as regras que ligam os cidadãos. Se o estado não promulgar estas regras, é culpado em relação a outros estados. 

Os Estados Unidos e a França são signatários. Mas cada estado pode estabelecer reservas. Por exemplo, os Estados Unidos fizeram uma reserva ao Artigo 6 bis, que diz respeito aos direitos morais. O passo da transcrição na forma de regras específicas para cada estado dá lugar a interpretações que tornam a homogeneidade do todo bastante aleatória. 

A Convenção de Berna (1886, modificada muitas vezes) é muito curta e a lei francesa corresponde a ela. Eu não fiz nenhuma pergunta sobre a Convenção de Berna durante meu trabalho preliminar sobre a tradução da GNU/GPL. Trata-se de adaptá-lo ao direito francês e não à Convenção de Berna, para a qual já é fiel.

Como é que a versão francesa se aplica em países de língua estrangeira? Na Alemanha, por exemplo?

É delicado. Na Europa, isto será facilitado pela futura harmonização. É por isso que é mais simples dizer na licença qual é a jurisdição aplicável. Caso contrário, será sempre problemático determinar qual jurisdição e lei é competente. 

Quem é o consumidor? Existe textos que protegem o consumidor e que muitas vezes são aplicados, eles devem ser levados em conta. Richard M. Stallman não é a favor de especificar a lei e a jurisdição na GNU/GPL.

A GNU GPL em francês será compatível com a GNU GPL em inglês?

Claro, esse é o objetivo deste trabalho.

Como você acha que a FSF Europa pode ajudar?

Precisamos estar em contato com outros advogados. Para releituras, estude cada ponto do vocabulário. A FSF Europe pode nos ajudar a organizar reuniões de trabalho e nos colocar em contato.Eu acho que a organização do trabalho seria eficaz na forma de reuniões de trabalho, reunindo pessoas com habilidades legais para tentar esclarecer um ponto específico. Posso propor a primeira ordem do dia e cada reunião determinará a agenda da próxima reunião.

Copyright ©2001 FSF França, 8 rue de Valois, 75001 Paris, França [reprodução exata e distribuição completa deste artigo são permitidas em qualquer meio de arquivo, desde que este aviso seja preservado].

Leave a Comment

Filed under Propriedade Intelectual, Tecnologia

WIKI::SCORE – Um ambiente colaborativo para transcrição e publicação de músicas

Autores: José Nuno Almeida, Nuno Ramos Carvalho e José Nuno Oliveira. Páginas: 82 – 93. DOI: 10.3233 / 978-1-61499-065-9-82. Categoria: Soluções futuras & amp; Inovações  Ebook: Social Shaping of Digital Publishing: Explorando a interação entre cultura e tecnologia.

Resumo:

As fontes de música são mais comumente compartilhadas em partituras escaneadas ou impressas em folhas de papel. Esses artefatos são ricos em informações, mas, como são imagens é difícil reutilizá-las e compartilhar seu conteúdo no mundo digital de hoje. Existem linguagens modernas que podem ser usadas para transcrever partituras, esta ainda é uma tarefa demorada, devido à complexidade envolvida no processo e ao tamanho enorme dos documentos originais.

O WIKI::SCORE é um ambiente colaborativo onde várias pessoas trabalham juntas para transcrever partituras para um meio compartilhado, usando a notação. Isso facilita o processo de transcrição de documentos enormes e armazena o documento em uma notação bem conhecida, que pode ser usada posteriormente para publicar todo o conteúdo em vários formatos, como um documento PDF, imagens ou arquivos de áudio, por exemplo.

Além de acesso livre a partituras é possível contribuir também. Vale a pena conhecer!

Leave a Comment

Filed under Biblioteca, Música, Tecnologia

Macbeth de Verdi: um guia completo

A criação de Macbeth, por Richard Wigmore habitualmente pessimista, propenso à melancolia, Verdi sempre teve o cuidado de enfatizar suas origens humildes. No final da vida, o compositor que se tornou ícone nacional e patriarca da recém-unida Itália disse a seu biógrafo francês Camille Bellaigue: “Eu tive muita dificuldade quando menino”. Ele se chamou “o menos erudito entre os compositores do passado e do presente”. No entanto, como aconteceu com Haydn 75 anos antes, convinha Verdi apresentar uma narrativa de um compositor pobre, em grande parte autodidata, que triunfou sobre dificuldades assustadoras.

Nascido na aldeia de Le Roncole, perto da cidade mercantil de Busseto, na província de Parma, Verdi vinha de uma família de comerciantes, não de camponeses analfabetos, como mais tarde implicaria. Seu pai, um dono de mercearia e estalajadeiro respeitado, embora nunca bem de vida, estava disposto a promover a educação de seu filho, e conseguiu-lhe um velho brinde quando ele tinha sete anos. Embora nenhum prodígio, o jovem Giuseppe tornou-se organista na igreja local, e recebeu uma educação completa no Busseto ginnasio.

Em sua adolescência, ele compôs para a Sociedade Filarmônica local um conjunto eclético de variações de teclado, marchas, aberturas, cantatas e concertos. Nenhum sobreviveu, embora possamos adivinhar que neles ele desenvolveu as sonoridades da banda grosseiramente eficazes que apimentam suas primeiras óperas.

Verdi foi apoiado pelo rico comerciante de Busseto, Antonio Barezzi, cuja filha Margherita se tornaria a primeira esposa de Verdi. Barezzi concordou em investir dinheiro para seus estudos no Conservatório de Milão, embora Verdi tenha sido impedido de entrar, em parte por causa de sua “falta de técnica de piano e conhecimento técnico” – uma rejeição que incomodaria a vida. Em vez disso, Barezzi pagou por Verdi para estudar em particular em Milão por três anos. Em 1836 ele conseguiu seu primeiro posto (como maestro di musica em Busseto), casou e compôs uma ópera, Rocester . O diretor do Teatro Ducal em Parma, no entanto, não arriscaria um trabalho de um desconhecido de 22 anos de idade. Verdi revisou radicalmente como Oberto, cujo sucesso no La Scala em 1839 (que Verdi, fiel à forma, depois minimizou) levou a um contrato para mais três óperas.

‘Macbeth era inédito na arte de Verdi, tanto por sua penetração psicológica quanto pelo refinamento de sua coloração orquestral’

A essa altura, Verdi se mudara para o Milan. No entanto, o duplo golpe da morte de Margherita (da encefalite) e o fracasso de sua segunda ópera, Un giorno di regno (sua única comédia antes de Falstaff ) , deixaram Verdi perturbado. Podemos tomar com uma pitada de sal a sua determinação de “não escrever mais”. Mas seus espíritos e energia criativa só reavivaram durante a composição de sua terceira ópera, Nabucco , triunfante, estreou no La Scala em 1842, com sua futura segunda esposa, Giuseppina Strepponi, como Abigaille. Mais tarde, Verdi lembrou que, nos ensaios, os operários usavam instrumentos para escutar em silêncio o coro dos escravos “Va pensiero”. No final de sua vida, tornou-se um hino nacional italiano alternativo.

Nabucco selou a reputação de Verdi em toda a península italiana. Com sua energia dramática, caracteres larger-than-life (Abigaille prenuncia tanto Lady Macbeth e Amneris em Aida ) e refrões poderosos, ele transcendeu as óperas nobres, mas geladas do Saverio Mercadante, que rivalizava com Donizetti como o principal compositor de ópera italiano após a morte de Bellini e A aposentadoria de Rossini. Dois anos depois, ele pelo menos igualou Donizetti em seu próprio jogo no heroísmo de Ernani , baseado no melodrama de Victor Hugo. O francês não gostava da ópera, e críticos superiores e colegas compositores continuavam céticos; mas Ernani tornou Verdi internacionalmente famoso.

Durante os anos da “cozinha” – um típico assalto Verdiano – que se seguiu, quando Verdi produziu uma média de uma ópera a cada nove meses, Macbeth é corretamente visto como um divisor de águas. Depois de fazer seu próprio rascunho em prosa, convenceu seu libretista Francesco Piave a produzir exatamente o texto que queria. Uma carta diz: ‘Esta tragédia é uma das maiores criações do espírito humano. Se não podemos fazer algo grande com isso, vamos pelo menos tentar fazer algo fora do comum. Um triunfo em sua estréia em 1847 em Florença, em seguida, revisado para Paris em 1865, “L’opera senza amore”, como os italianos o apelidaram, tem sido ridicularizado por suas inconsistências estilísticas e pela suposta trivialidade dos coros das bruxas. No entanto, a maioria dos amantes de ópera concordaria que Macbethé uma obra-prima grandes e ‘fora do comum’, sem precedentes na arte de Verdi, tanto para a sua penetração psicológica e o refinamento de sua coloração orquestral: dizer, na sinistra, lamentando cor anglais na cena de sonambulismo, ou o uso evocativo de baixo clarinetes. Mais do que outros compositores da indústria de ópera italiana do século XIX, Verdi se envolveu de perto na encenação de uma obra.

Com Macbethele foi mais longe do que nunca, supervisionando minuciosamente todos os aspectos da produção. Ele deu o desenhista de cena, que evidentemente não tinha a menor idéia sobre a peça de Shakespeare (ainda não tocada na Itália em 1847!), uma lição nítida da história escocesa. Ele escreveu para o empresário de Florence, Alessandro Lanari, especificando o número exato de bruxas – três grupos de seis – e enfatizando a necessidade de um bom tenor para a parte de Macduff, e a importância dos conjuntos.

Como sempre, Verdi não teve tempo para cantores com atitude. ‘Estou chateado que o cantor que vai interpretar Banquo não queira aparecer como seu fantasma. Por que é isso? Os cantores devem estar comprometidos para cantar e atuar. Já é hora de deixarmos de ser lenientes aqui. Seria monstruoso para alguém jogar o fantasma. Deve ser imediatamente reconhecível como Banquo. Verdi até escreveu para Londres para descobrir como a aparência do fantasma de Banquo era costumeiramente encenada. Ele parece ter existido em um estado constante de irritabilidade nervosa. Cada vez mais exasperado com Piave por resistir a seus pedidos de mudanças, ele o demitiu e contratou o poeta Andrea Maffei para fazer ajustes finais no coro das bruxas no Ato 3 e na cena de sonambulismo de Lady Macbeth.

Para o papel-título, Verdi insistiu no barítono Felice Varesi, que tanto o impressionara como Don Carlo em Ernani . Salientando que a ópera foi escrita “de uma maneira totalmente nova”, ele ordenou a Varesi que “servisse o poeta antes do compositor”, e trabalhou com ele e Lady Macbeth, Marianna Barbieri-Nini, em todas as nuances de seus papéis. De acordo com um livro de memórias não confiável, Barbieri-Nini reclamou que Verdi ensaiou o Gran scena e duetto de tirar o fôlego original , começando com o solilóquio de punhal de Macbeth, mais de 150 vezes, e então chamou um ensaio final antes do ensaio público. Mas enquanto Verdi fez exigências sem precedentes em seus cantores, muitos relatos, de todos os períodos de sua vida, confirmam sua gentileza e consideração a eles.

Após a estreia no Teatro della Pergola, em 14 de março de 1847, Verdi informou à ex-esposa de Maffei, Clarina, em Milão, que “a ópera não era um fiasco”: uma severa parcialidade verdiana, se é que existia. De fato, Barbieri-Nini recebeu uma ovação após a cena do sonambulismo, e o compositor foi chamado de volta para não menos que 38 chamadas de cortina. Após seu triunfo inicial, Macbeth rapidamente percorreu a península italiana.

As apresentações em Madri e Viena logo se seguiram e, em 1858, chegaram a Nova York. Verdi dedicou a ópera a Antonio Barezzi, pai de sua falecida esposa, que como “benfeitora, pai e amiga” ajudou a tornar possível sua carreira como compositor: “Aqui, então, está Macbeth, que eu amo acima de tudo meus outros trabalhos, e por isso considero digno de ser apresentado a você.”

Gianandrea Noseda em Macbeth

Gianandrea Noseda
Gianandrea Noseda


Não divulgado nas óperas anteriores, Macbeth é visionário. Com isso, Verdi pulou musicalmente 50 anos à frente. Você não pode tratá-lo como você faria Ernani ou Nabucco, é um mundo completamente diferente. A tinta , a cor da ópera, é muito sombria e existem poucas árias muito famosas. A dificuldade com Macbeth é que você deve considerá-lo não como uma série de árias, mas como um corpo orgânico. Eu sinto o Verdi de Aida e Otello – há uma linha dramática ininterrupta que vai da primeira até a última nota da ópera.

Macbeth é “início Verdi” na medida em que foi escrito antes de 1850, mas se não considerarmos o tempo em que foi escrito, mas as especificidades da ópera, não é “Verdi precoce” em tudo, é muito maduro Verdi. E se você olhar para as revisões que ele fez em 1865, ele não alterou muito. É claro que ele refinou alguns elementos, mas basicamente o que ele escreveu em 1847 já era uma ópera fantástica. Michelangelo disse que quando ele olhou para um bloco de pedra ele já podia ver a estátua dentro, que ele só tinha que tirar a pedra que não era necessária. Com Macbeth tenho o mesmo sentimento. Desde o primeiro segundo da ópera você tem a sensação de que esta é uma fantástica pedra de mármore e que Verdi vai fazer uma estátua com ela.

Com exceção das duas grandes óperas finais, Otello e Falstaff , os libretos que Verdi usou não estavam no mesmo nível artístico da inspiração musical. Mas o que Verdi queria de um libreto não era a beleza da poesia, mas o fogo do drama. E nisso, Piave fez um trabalho fantástico. Se olharmos para Macbeth libretto ‘s do ponto de vista literário há alguns, digamos, momentos menos bem sucedidos, mas Piave nunca perdeu a alta temperatura dramática que Verdi necessário. Para começar a ópera, Verdi precisava de um tipo de prelúdio para estabelecer seu tom, e o que era melhor para isso do que o coro das bruxas?

O refrão traz uma cor fantasmagórica para a ópera que, em seguida, transborda para o trabalho inteiro. Macbeth é a primeira ópera em que Verdi pensa principalmente sobre cores, em vez de sequências de árias e cabaletas.

Leave a Comment

Filed under Música

HANSEN: A história de Sibyl Sanderson – Requiem for a Diva

A biografia de 520 páginas de Jack Winsor Hansen, da famosa soprano Sibyl Sanderson (1865 – 1903) é repleta de romantismo e fofoca que irão deleitar e excitar os verdadeiros adoradores das divas operísticas e dos inquisidores fãs da ópera. Também preenche uma lacuna nos escritos histórico-musicais sobre a ópera no final do século XIX.

Jack Winsor Hansen: A História de Sibyl Sanderson – Requiem for a Diva

Sanderson era uma cantora de ópera imensamente popular do final do século XIX em Paris, onde ela fez sua estréia na Opéra-Comique em 1886. Sanderson e sua família vieram da Califórnia, onde seu pai era um político e advogado rico e influente até sua morte em 1886. , ponto em que Sanderson se mudou permanentemente para Paris com sua mãe e irmãs, e Sanderson começou sua carreira de operário a sério. 

O fato de seus estudos começarem bastante tarde resultou principalmente da oposição de seu pai a ela ter uma carreira no palco, uma circunstância que também resultou na falta de treinamento vocal adequado até que ela ficou mais velha do que o normal para que as divas da ópera começassem a estudar. No entanto, apesar de seus inícios pouco auspiciosos, Sanderson tornou-se conhecida por seu alcance de três oitavas e excelentes habilidades de atuação, bem como por sua beleza aparentemente irresistível. Em particular, foi associada ao compositor francês Massenet, para quem criou papéis como Manon, Thaïaut e Esclarmonde; e ela também trabalhou em estreita colaboração com Saint-Saens, que escreveu Phryné para ela.

Houve, no entanto, um lado sombrio de sua vida, quando ela desenvolveu um vício em álcool e morfina, que resultou em doença hepática avançada em tenra idade. Hansen capta tudo isso, desde a época em que os pais de Sanderson se casaram com sua trágica morte aos trinta e oito anos de idade. Além disso, ele amplia o quadro com informações sobre os muitos compositores, regentes e cantores com quem trabalhava.

Por toda parte, a atenção aos detalhes e a revisão completa dos numerosos documentos que cercam a vida e a carreira de Sanderson atestam tanto a integridade de Hansen como biógrafo quanto sua obsessão com a divina Mlle. Sanderson ela mesma. Claramente, ele não deixou pedra sobre pedra, e ele pensou muito sobre as razões de sua doença trágica e subseqüente pobreza e morte prematura. Hansen apoia suas alegações sobre a vida de Sanderson com uma grande variedade de provas documentais, incluindo cartas, telegramas, registros de diário, recibos, registros de hotéis, artigos de jornais e extensas entrevistas pessoais com parentes e conhecidos de Sanderson e seus descendentes.

Infelizmente, em seu zelo por apresentar a vida de Sanderson ao máximo, Hansen frequentemente inclui documentos que são menos que fascinantes e ocasionalmente banais. Se o resultado geral é uma história cintilante, ocasionalmente é uma leitura lenta. A prosa de Hansen é repetitiva e muitas vezes temperada com insinuações dramáticas e presságios de mão pesada. 

E embora o texto raramente seja interrompido por exemplos musicais (existem apenas quatro), ou por copiosas notas de fim, às vezes a falta de documentação específica às vezes dá a impressão de que Hansen está controlando cuidadosamente o acesso do leitor aos documentos para apoiar seu próprio romantismo. versões de eventos. É lamentável que mais documentos não sejam disponibilizados na íntegra em um apêndice ou nas notas finais, já que isso permitiria ao leitor tirar suas próprias conclusões.

O leitor também pode achar frustrante a falta de informações contextuais sobre a ópera francesa na época da carreira de Sanderson. Embora The Sibyl Sanderson Story inclua cativantes, se tangenciais, anedotas e dados biográficos sobre muitas das principais figuras da ópera francesa no final do século 19, ele não consegue explicar a política abrangente e o nacionalismo, em seguida, desenfreado no negócio de ópera. 

Enquanto Hansen retrata a carreira de Sanderson como se voltando para as maquinações de personalidades tão poderosas como Massenet e Svengali, ele ocasionalmente faz alusão aos debates contemporâneos que se enfureceram sobre a direção da ópera francesa em face da crescente onda do drama musical wagneriano.

Que Hansen está apaixonado por Sanderson é aparente em sua interpretação dela como um talento maior que a vida se movendo nos mais altos escalões da sociedade musical. Ele nunca reconhece que Massenet pode ter sido um “compositor de segunda categoria” (como Elliot Forbes o descreve no Dicionário de Música e Músicos de New Grove).) que precisavam de um chamariz – como uma cantora americana linda e desconhecida, com sex appeal extraordinário – para ajudar suas óperas a encher a casa. 

Além disso, embora as razões dadas por Hansen para o alcoolismo de Sanderson e a aposentadoria antecipada forçada, como o uso excessivo de sua voz destreinada e uma predilecção pela socialização, possam de fato ser parte de sua história, também é verdade que o gênero para o qual Sanderson a dedicou. carreira – grande ópera francesa – não foi defendida em seu dia (nem é hoje). Ela se dedicou completamente a um pequeno número de papéis líricos-sopranos franceses escritos por Massenet, Saint-Saens e Gounod, com a exclusão do repertório de Mozart, Verdi e Wagner. Assim, sua escolha de papéis limitou seu potencial de popularidade e fama fora da Opéra-Comique ou da Opéra, assim como a má administração e a ganância destruíram sua voz.

Em resumo, The Sibyl Sanderson Story é uma divertida biografia de uma personalidade operística incomum, embora ocasionalmente não tenha foco. Hansen especula muito sobre as particularidades de alguns eventos na vida de Sanderson – incluindo as possibilidades de seu lesbianismo e de ter sido vítima de eutanásia – mas, depois de ter feito uma pesquisa exaustiva sobre Sanderson, ele certamente está qualificado para isso.

Por Megan B. Jenkins 
CUNY – O Centro de Pós-Graduação

Leave a Comment

Filed under Sem categoria

Den vänstra stranden – Kent

Ficha técnica:

Director: Joanna Nordahl
DOP: Josephine Owe
Producer: Simon Hernadi

Starring: Sophie Augot
Co starring: Anja Fougea, Xamira Zuloaga, Lisa Raeder

1st Assistant Camera: Johnny Isaksson
Stylist: Linn Eklund
Coordinator Paris: Damien Gabriel Aratohn Coordinator Stockholm: Kim Jansson

Editor: David Stevens (Assembly Rooms)
Post production Supervisor: Ryan Hancocks (MPC London)
Telecine: George K. (MPC)
VFX: MPC London
Sound design and mix: Ulf Blomqvist (Red Pipe) Sound assist: Anton Ahlberg (Red Pipe)

An INDIO production / www.indio.se

Special thanks to Joakim Berg, Robin Robles, the Fougea family, our INDIO family, Ljud & Bildmedia

Läs mer: http://kent.nu/2016/06/16/den-vanstra-stranden-video/#ixzz5NgtP6Wcp

Leave a Comment

Filed under Den vänstra stranden, Kent