Como construímos projetos com nossos vizinhos?

Mensagem recebida via mailing mail do Vila Flores.

Conheça as ações realizadas com e para a comunidade do bairro Floresta

* Por Thiago Couto, da Sopro, e Aline Bueno, da Associação Cultural Vila Flores

Se tem uma coisa que amamos é o nosso bairro: o Floresta. Bem pertinho do centro da cidade, o Floresta tem muita história. Já abrigou grandes empreendimentos, como a cervejaria Brahma (hoje Shopping Total), mas também já foi e continua sendo casa de pequenos negócios: sapatarias, estofarias, restaurantes e comércio em geral. Além disso, é um bairro muito residencial, com moradores de longa data que também integram o valor histórico da região.

Preservar toda essa memória sempre foi um dos nossos objetivos. Ainda antes de o Vila Flores nascer, os proprietários dos dois prédios da São Carlos com a Hoffmann já mostravam essa preocupação. Por isso, desde 2012 são realizadas ações com a comunidade para dar visibilidade e desenvolver o Floresta.

Comunidade participou da criação do Vila Flores

A criação do Vila Flores foi realizada com os vizinhos do bairro Floresta. Em dezembro de 2012 aconteceu o primeiro mutirão com portas abertas para a comunidade conhecer o Vila Flores e sugerir atividades para o espaço. Na ocasião, os proprietários mostraram as plantas baixas e uma maquete do projeto que estava sendo pensado para o local.

Captura de Tela 2018-05-02 às 14.55.40

A partir disso, começamos a participar das reuniões e ações do coletivo Refloresta, grupo de apoio à revitalização do bairro Floresta, formado por moradores e frequentadores da região. Uma das conquistas desse grupo foi a instituição da Feira Modelo, que acontece todas as terças na Praça Florida, a uma quadra do Vila.

Ativação do espaço público em parceria com vizinhos

A vontade de transformar o bairro junto à comunidade levou os residentes do Vila Flores a propor atividades com os vizinhos. A Cia Teatral Ato Espelhado impulsionou, em 2015, uma iniciativa chamada Ocupa Calçada, em que atividades culturais aconteciam na calçada da Rua Hoffmann. Todos que passavam eram convidados a se juntar ao grupo, tomar chimarrão e bater papo.

Captura de Tela 2018-05-02 às 14.56.44

Além disso, no mesmo ano, o grupo de estudos Geração Urbana, da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da PUCRS, desenvolveu diversas conversas com moradores, as chamadas Conversas de Vizinhos. A divulgação era feita nas redes sociais e através de flyers impressos e colocados nas caixas de correspondência dos prédios e casas do entorno.

A partir das conversas se propôs uma pequena intervenção na Rua São Carlos, que serviria de piloto para diversas ações. A intervenção se chamava Tudo de Cor para a Rua São Carlos e era uma proposta para um projeto das Tintas Coral.

Também junto com o grupo Geração Urbana e moradores da região foi desenvolvido um projeto para a Praça Florida em 2015, que foi apresentado para a prefeitura, mas que foi engavetado devido à mudança de governo.

Captura de Tela 2018-05-02 às 15.02.02

 

Outro projeto construído diretamente com a comunidade é o “De Vila a Vila”. A ideia é aproximar o Vila Flores da Vila Santa Teresinha. Recentemente, em parceria com o Centro Social Marista e os moradores da Santa Teresinha, foi conquistada uma pista de skate. A inauguração aconteceu em um dia com muitas atividades culturais e de educação para as crianças da comunidade.

Atualmente também estamos participando junto com a vizinhança de mutirões pela segurança e limpeza do nosso bairro. O último aconteceu no dia 24 de março, junto com os moradores da rua Comendador Azevedo. Temos um grupo no whatsapp para combinar ações. Interessados em participar podem entrar em contato conosco.

Foto: Jornal Floresta

Da parceria com a Escola Convexo, que desenvolve o projeto ConvexoLab Vila Flores com crianças e adolescentes de escolas públicas e privadas, resultou também uma pesquisa com aproximadamente 100 moradores. Foram levantados problemas do Floresta e como eles gostariam que o bairro fosse, seus sonhos e desejos. Além disso, foram realizadas ações com a AMOVIL – Associação de Moradores da Vila Liberdade.

Participação nos diálogos sobre o Masterplan

Inserido no Quarto Distrito (bairros Floresta, Humaitá, Navegantes, Farrapos e São Geraldo), o Vila Flores também sediou diversos encontros para debatermos o Master Plan: projeto de revitalização urbana e reconversão econômica do 4º Distrito coordenado pelo Núcleo de Tecnologia Urbana da UFRGS contratado pela Prefeitura Municipal de Porto Alegre.

Para nós, qualquer decisão do poder público precisa da participação da comunidade. Por isso, o debate foi aberto, junto à Rede de Sustentabilidade e Cidadania da Vila Santa Teresinha e moradores do bairro para definirmos coletivamente as diretrizes sociais do projeto. O resultado dessa conversa pode ser conferido aqui.

Portas abertas para a comunidade

O Vila também está sempre com as portas abertas para a comunidade. Contamos com um amplo pátio e atividades diárias para receber os vizinhos. Ao longo desses anos também foram organizadas atividades pontuais para ampliar a conexão com os moradores da região.

Durante 4 meses em 2016, realizamos 21 atividades gratuitas e voltadas ao público do nosso bairro. Essas atividades fizeram parte do projeto Vila Flores – Uma Experiência Aberta, desenvolvido com recursos do Fundo de Apoio à Cultura (PRÓ-CULTURA RS FAC).

Fizemos uma articulação com escolas e iniciativas do bairro para que jovens participassem das oficinas e de visitas pelos prédios. A divulgação desse projeto foi feita através da impressão de banners colocados na fachada do Vila Flores e flyers distribuídos nas caixas de correspondência.

Outro evento que dedicamos esforços é o Simultaneidade, um festival multiartístico com entrada franca que acontece desde 2013 no Vila. Já foram 3 edições, todas com atividades gratuitas e participação dos moradores propondo oficinas e rodas de conversa.

A temática de 2017 foi “TransVerCidade” e veio da vontade de mostrar que a cidade que sonhamos e queremos já está sendo colocada em prática através de muitas mãos, ideias e ações, mas que ainda há muito para se refletir e reivindicar. O evento contou com rodas de conversa como “Socializando o 4º Distrito”, “Arquitetura e Resistência” e “Construindo uma Rede de Inovação Social Urbana”.

Em 2018 recebemos pela segunda vez o evento gratuito Deslocamentos4D, que busca dar visibilidade a iniciativas inovadoras que compõem essa região da Capital. Na programação, aconteceram seminários, rodas de conversa, oficinas, feira de inovação e design, exposição de artistas, sarau, intervenções urbanas, shows musicais e áreas gastronômicas.

No evento também foi lançado o Mapa 4D, que mostra a diversidade de atividades e espaços relacionados à Economia da Cultura e Economia Criativa no Quarto Distrito. Até agora, foram 180 locais mapeados, o que revela a força dessa economia na região. Vale a pena conhecer!

Quer fazer parte desse movimento e nos conhecer melhor?

Acreditamos que ações micropolíticas podem gerar um impacto social e transformar a realidade. Estamos de portas abertas para receber a comunidade e esperamos que cada vez mais pessoas se engajem e participem de nossas atividades.

Temos feito o que é possível para atingir um público amplo, colocando em contato pessoas diversas para que vivam novas experiências nesse espaço que construímos com tanto carinho.

Ficam aqui os links para você acompanhar nossa programação e se sentir convidado a participar de qualquer um dos nossos eventos, que são voltados para um público eclético, com uma programação diversificada para todos os gostos e públicos. Muitos deles têm entrada franca.

 

Deixe uma resposta