Artigos Acadêmicos

O Universo no bolso: tecnologias móveis de apoio didático-pedagógico para o ensino da Astronomia

RENOTE, v. 12, n. 1 (2014)

Breno Gonçalves Bragatti Neves, Rafaela da Silva Melo

Resumo

Este artigo apresenta o projeto Universo Móvel, um recurso didático-pedagógico em software livre desenvolvido especialmente para o uso em dispositivos móveis (tablets e smartphones) que tem por objetivo aproximar estudantes do Ensino Fundamental e Médio das noções de Astronomia e contribuir na transposição dos conhecimentos produzidos pelo campo da Astronomia para as novas tecnologias digitais. Além da interface gráfica intuitiva e do design atraente, o Universo Móvel apresenta noções conceituais sobre alguns dos principais componentes do Sistema Solar, Via Láctea, Satélites e as Galáxias, atividades interativas e ainda agrega uma enciclopédia colaborativa móvel – a Wikiverso Móvel que permite aos estudantes a inserção de novos verbetes relacionados ao campo da Astronomia e assim contribuírem para a disseminação e compartilhamento do conhecimento, em qualquer momento e em qualquer local onde estes estiverem conectados, favorecendo a aprendizagem móvel.

Palavras-chave: Aprendizagem Móvel; Aplicativos Educacionais Livres; Ensino da Astronomia.

Texto completo aqui.


Crianças Mobile: tecnologias móveis e as novas estratégias de marketing infantil

Revista Anagrama (USP), v. 8, p. 1-16, 2014

Rafaela da Silva Melo, Breno Gonçalves Bragatti Neves, André Ferreira Machado

Resumo

Este estudo tem como proposta investigar as novas técnicas e estratégias utilizadas por empresas desenvolvedoras de aplicativos que, para conquistar o público infantil e seus familiares, têm se valido de uma ampla gama de recursos que vão muito além da propaganda convencional. Para investigação, realizamos o levantamento dos 10 aplicativos infantis gratuitos em língua portuguesa mais instalados na loja de aplicativos Play Store da Google pelos usuários do sistema operacional móvel Android durante o ano de 2013, buscando investigar as principais estratégias de marketing infantil presentes nos anúncios e nos aplicativos, visando assim a contribuir para o debate sobre a relação entre as infâncias, as mídias e tecnologias digitais e o consumo na contemporaneidade

Palavras-chave: Aplicativos Infantis; Tecnologias Móveis; Infância

Texto completo aqui.


Universo Móvel: um aplicativo educacional livre para dispositivos móveis

Texto Livre, v. 7, p. 34-48, 2014.

Breno Gonçalves Bragatti Neves, Rafaela da Silva Melo, André Ferreira Machado

Resumo

Este artigo tem como propósito apresentar o Universo Móvel, um aplicativo educacional livre para uso em dispositivos móveis (tablets e smartphones) que tem por objetivo aproximar estudantes do Ensino Fundamental e Médio das noções de Astronomia e contribuir na transposição dos conhecimentos produzidos pelo campo da Astronomia para as novas tecnologias digitais. Serão apresentadas aqui as ferramentas e as linguagens de programação utilizadas em sua construção e, ainda, as possibilidades oferecidas pelo aplicativo para a aprendizagem móvel, conceito que além da utilização de aplicativos e dispositivos, envolve a apropriação criativa de ferramentas e linguagens para a produção e compartilhamento de conhecimento e tecnologias livres.

Palavras-chave: Aprendizagem Móvel. Aplicativos Educacionais Livres. Ensino da Astronomia.

Texto completo aqui.


Infâncias Glitz: um estudo sobre as imposições dos concursos de beleza aos corpos infantis

Zero-a-Seis (Florianópolis), v. 1, p. 045-058, 2014.

Rafaela da Silva Melo, Rosangela de Fátima Rodrigues Soares

Resumo

http://dx.doi.org/10.5007/1980-4512.2014n30p45

A partir dos trechos extraídos de episódios do reality show Pequenas Misses (Toddlers and Tiaras) e das contribuições dos estudos da infância e da perspectiva teórica pós-estruturalista, busco analisar os discursos de “verdade” que sustentam a necessidade da transformação radical dos corpos infantis para atender às exigências dos concursos beleza. Discursos que tem servido de justificativa para as formas contemporâneas de exploração, abuso, disciplinamento e governo dos corpos infantis.

Palavras-chave: Infâncias; Corpo; Modos de Subjetivação

Texto completo aqui.


O Uso do Software Livre e a Construção da Aprendizagem Colaborativa: Limites e Possibilidades do Programa Um Computador Por Aluno.

RENOTE,  v. 11, n. 1 (2013).

Rafaela da Silva Melo, Ana Beatriz Gomes Pimenta de Carvalho

Resumo

O objetivo geral desse trabalho é analisar o benefício do uso do software livre para o desenvolvimento da aprendizagem e da colaboratividade em rede no contexto do Programa UCA – Um Computador Por Aluno. A pesquisa foi realizada em duas escolas da rede pública de ensino (federal e estadual) participantes do projeto em dois estados do Brasil. A metodologia foi orientada pelo princípio da pesquisa-ação crítica (Kincheloe, 1997), utilizado para investigar as transformações no contexto da escola com o uso das tecnologias. Participamos de atividades com o uso do software livre, fornecendo suporte aos professores e alunos e analisamos os softwares livres utilizados. Conclui-se que a utilização do Software Livre tem criado no interior das escolas pesquisadas uma “cultura digital” e tem possibilitado a aprendizagem, o trabalho cooperativo, colaborativo, a interculturalidade, a criatividade e a autoria entre estudantes e professores na construção do conhecimento.

Palavras-chave: Inclusão Digital, Software Livre, Programas Governamentais.

Texto completo aqui.


Cultura Digital e Educação: desafios contemporâneos para a aprendizagem escolar em tempos de dispositivos móveis

RENOTE  v. 12, n. 1 (2014).

Rafaela da Silva Melo, Cíntia Inês Boll

Resumo:

Este artigo tem como objetivo apresentar as possibilidades que a plataforma Fábrica de Aplicativos oferece para uma aprendizagem móvel focada nos desafios contemporâneos da Cultura Digital e no desenvolvimento das aprendizagens escolares. Discutimos as definições e os potenciais benefícios do que pode ser também entendido nesse contexto contemporâneo como aprendizagem móvel. Apresentamos três versões de aplicativos educacionais desenvolvidos na plataforma considerando a integração entre essas mídias digitais e suas intersecções curriculares possíveis. Justificamos a
importância deste trabalho com o atual incremento de aplicativos para mídias móveis sendo desenvolvidos especialmente para crianças e jovens que não têm por foco nem a educação escolar e além da criação de aplicativos também por entendermos como necessária a criação de repositórios educacionais on-line para o mapeamento, organização, categorização e disponibilização destes aplicativos.


Avaliação de software livre educacional: investigando o potencial de utilização do KDEDU nos anos iniciais do ensino fundamental

Texto Livre, v. 6, p. 1-17, 2013.

Rafaela da Silva Melo, Breno Gonçalves Bragatti Neves

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo investigar o potencial dos softwares educacionais livres do projeto KDEdu para a utilização nos anos iniciais do ensino fundamental, além de apresentar contribuições e sugestões para o seu aperfeiçoamento. Destaca-se as contribuições de Campos (1993) e Boff & Reategui (2005), ao considerarem que avaliar um software educativo é levantar as reais possibilidades que determinado software apresenta para o processo de ensino e de aprendizagem. A metodologia utilizada consistiu na elaboração e aplicação de uma checklist baseada em critérios pedagógicos, com ênfase nas competências sugeridas pelos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN’s) para os anos iniciais do Ensino Fundamental e em critérios ergonômicos baseados nas atribuições da NBR ISO/IEC 9126-1 para a avaliação da qualidade de softwares. Posteriormente, foi realizada a análise e a avaliação de quatro diferentes aplicativos desenvolvido pelo projeto KDEdu (Kanagram, Kturtle, Marble e Kbruch). A partir da avaliação dos softwares livres educacionais do projeto KDEdu, constatamos que, de um modo geral, estes apresentam propostas pedagógicas em consonância com a proposta curricular nacional, documentação consistente em língua portuguesa, são livres e necessitam de poucos recursos computacionais. Fatores que, se combinados, podem facilitar e ampliar a utilização de softwares livres educacionais nas instituições educativas.

Palavras-chave: Avaliação de Software Educacional. Software Livre. Ensino Fundamental.

Texto completo aqui.


O Espaço Paulo Freire do FISL como lócus de compartilhamento de conhecimento e aprendizagem colaborativa

Wilkens Lenon Silva de Andrade, Rafaela da Silva Melo

Resumo

O presente trabalho se apresenta como um relato da experiência de criação do Espaço Paulo Freire, um lócus criado a partir de um movimento de educadores e pesquisadores das tecnologias digitais livres aplicadas à educação, que ocorre anualmente no Fórum Internacional Software Livre. O Espaço tem como propósito discutir e socializar experiências de professores, gestores, estudantes e profissionais da educação de vários estados do país, com base no princípio do compartilhamento do conhecimento e da aprendizagem colaborativa. A partir das contribuições de Lévy (2004), Silveira (2004), Pretto e Pinto (2006), Dias (2011) e Pretto e Assis (2008), discutimos os conceitos de inteligência coletiva, aprendizagem em rede e compartilhamento do conhecimento. Como metodologia, realizamos uma pesquisa documental da trajetória de criação e construção do Espaço Paulo Freire e em seguida análise do corpus documental. Concluímos que iniciativas, como a da criação do Espaço Paulo Freire no maior evento de tecnologias livres da América Latina, tem promovido a interculturalidade, a autonomia intelectual dos alunos, o protagonismo docente, o compartilhamento e a socialização do conhecimento. E ainda fomentando a criação e a consolidação de comunidades para uma contínua colaboração em rede.

Palavras-chave: Software Livre; Aprendizagem Colaborativa; Compartilhamento do Conhecimento

Texto completo aqui.

Sê o primeiro

Deixe uma resposta