Tag Archives: Plataforma de Formação de Professores

CultivEduca na mídia: Brasil tem 2.516 professores acima dos 70 anos que ainda atuam em sala de aula

Original publicado aqui.

Conheça as histórias dos mestres Getúlio, Dilma e Syldea

RIO – Em um dia qualquer de 2006, a professora Dilma Martins entrava em seu carro, em Marechal Hermes, quando foi abordada por assaltantes. Um dos homens ordenou que ela entrasse no veículo e estava prestes a dar partida quando seu comparsa reconheceu a vítima e interveio afobado: “Essa não”. Ao olhar para ele, Dilma finalmente identificou o rosto de um ex-aluno.

— Ele gritou para o outro: “Essa não, é minha professora.” Então me disse: “Desculpa, professora”. Isso realmente me marcou muito. Ele tinha tudo para se esconder de mim. De lá para cá eu tive a certeza que nós podemos mudar o comportamento dos nossos alunos. O professor ainda não descobriu a força que tem — conta Dilma, que, no mesmo episódio, recebeu um abraço do ex-estudante.

O relato é apenas uma das histórias que a professora acumula ao longo de seus 51 anos de magistério. Aos 71 anos de idade, Dilma, que dá aula na Escola Municipal Rosa da Fonseca, na Vila Militar, poderia estar aposentada há tempos. No Brasil, assim como ela, outros 2.516 docentes acima de 70 anos continuam à frente de turmas escolares, segundo dados do Censo Escolar compilados pela plataforma “CultivEduca”, do Centro de Formação Continuada de Professores da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). O número corresponde a 0,11% dos 2,1 milhões de docentes em atividade no Brasil. O Rio é a segunda capital do país com maior quantidade de mestres acima dessa idade: são 174 docentes na ativa. Em São Paulo, são 241.

Atualmente, os professores da rede pública que dão aula na educação básica podem se aposentar ao atingir 25 anos de contribuição e idade mínima de 50 anos, no caso das mulheres; e 30 anos de contribuição e 55 anos de idade, no dos homens. A partir dos 75 anos a aposentadoria é compulsória. Caso a reforma da previdência seja aprovada, a idade mínima subirá para 60 anos para todos.

Apesar de atender a todos os requisitos para aposentadoria, Dilma decidiu ficar e, há dez anos, só trabalha com turmas de correção de fluxo escolar. Ou seja, ela dá aula para alunos que repetiram de ano várias vezes e estão com a idade defasada em relação à série que cursariam no ensino regular.

— Tenho alunos que já estavam desistindo de estudar e voltaram, é uma coisa que mexe com o brio deles, com a autoestima — diz.

O estudante Christian Andrade, de 14 anos, é um dos que manifestam sua gratidão:

— Esses dias eu queria parar de estudar. Ela me disse: “não faça isso, estamos no meio do ano, vamos continuar estudando. Falta pouco, não desiste”. O que ela fez por mim ninguém faria.

A tentativa de transformar o futuro de seus alunos é o que leva o professor de inglês da Escola Municipal Edgard Werneck, Getúlio Benevides, 71 anos, a percorrer colégios particulares de Jacarepaguá com uma pasta sob o braço. Todo ano, ele leva nessas instituições uma lista com 20 nomes de estudantes de escolas públicas que, segundo ele, caso tenham uma oportunidade, serão os primeiros colocados nos vestibulares das melhores universidades do país. Em seus 48 anos de carreira, Getúlio já perdeu as contas de quantas bolsas de estudo conseguiu, mas se lembra com carinho de quando, em 2009, sugeriu à então secretária de Educação que adotasse um livro de inglês nas turmas do 1° ao 9° ano.

— Eu disse a ela que estávamos há 20 anos sem um livro de inglês, entreguei um projeto de ensino. Um dia passei na banca de jornal e estava escrito: “Inglês do 1º ao 9º ano no município do Rio”— conta orgulhoso, lembrando que nunca recebeu sequer um agradecimento da prefeitura pela sugestão. — A profissão de professor não tem o prestígio que merece. A sociedade de modo geral, e principalmente os políticos, não dão bola para os professores. Se o menino quer ser professor, a mãe e o pai dizem: “negativo”.

Com Syldea Pinto aconteceu exatamente o contrário. Por incentivo dos pais ela se tornou professora há quase 50 anos. Professora de português da Escola Municipal Alzira Araújo, ela admite sem cerimônia que, quando decidiu ficar, levou em consideração o abono permanência. Em aula, sua relação com os alunos deixa claro o que, de fato, pesou em sua decisão. Brincalhona, Syldea reduz a distância de quase 60 anos que a separa dos alunos.

— Eu sempre tive um bom relacionamento com todos os meus alunos. Até hoje eles vão na minha casa, porque sabem onde eu moro. Parei de varrer a calçada de casa, porque eu começava e já aparecia um aluno — relata rindo.

Ainda que inspiradores, exemplos como Dilma, Getúlio e Syldea tendem a ficar mais raros. De acordo com a especialista em educação Maria Amabile Mansutti, coordenadora técnica do Cenpec, a desvalorização da carreira faz com que esses profissionais sejam uma raridade.

— Esses que não se aposentam são aqueles cuja docência tem um sentido forte na vida. A carreira não tem atratividade, e os que permanecem, muitas vezes, deixam a sala de aula e assumem funções administrativas. Não temos um plano de carreira que segure os professores na docência.

Em 2015, pelo menos 16 estados descumpriam o piso salarial dos professores que, atualmente, é de R$ 2.298,80 para a educação básica. Somado a isso, a rotina estressante e o desgaste enfrentado em sala de aula conduzem cada vez mais docentes para fora das escolas.

— Não critico nenhuma pessoa que se aposenta. No caso do professor, deve ser perguntado sempre a ele: você quer continuar? É bom para você e para os alunos? Se ele disser que sim, deixe-o continuar. Fernanda Montenegro está lá. Sabemos da idade dela, e ela é a dama do cinema. Quando vou parar? Nunca. Enquanto houver uma escola que me inspire a fazer esse trabalho eu não paro — diz Getúlio. Mas essas frases também poderiam ser de Dilma ou de Syldea.

Leave a Comment

Filed under Sem categoria